3 de maio de 2009

Casos bizarros

Arnold Schoenberg

Arnold Schoenberg era um compositor austríaco que viveu entre 1874 e 1951. Arnold era fascinado pela numerologia. Este fascínio o perseguiu por toda sua vida, pois ele pensava que poderia saber o futuro através de complexos calculos numéricos. E estes calculos o levaram a uma certa obsessão “zagállica” pelo numero 13. Arnold tinha nascido em 13 de setembro de 1874 e por conta disso, era perseguido pela idéia constante de que o numero 13 estaria diretamente ligadoà sua morte.Como os numeros sete e seis somam 13, Arnold Schoenberg resolveu acreditar que ele iria morrer quando fizesse 76 anos de idade. Ao verificar o calendário, Arnold viu horrorizado que o dia 13 de julho cairia numa sexta-feira.
Quando aquele fatídico dia chegou, Arnold tentou ludibriar a morte, permanecendo deitado durante todo o dia, para desespero de sua mulher, que não aceitava aquelas “maluquices”. Arnold dizia para todos que estava decidido a passar o dia inteiro na cama, de modo a evitar eventuais acidentes. Poucos minutos antes da meia noite, sua esposa foi ao quarto dele para dar uma “zoada” no velho, pois nada de ruim havia acontecido. Ao chegar no quarto, ela encontrou Schoenberg deitado. Ele olhou para a esposa e pronunciou apenas “harmonia” e então morreu.
A hora de sua morte foi 23:47, 13 minutos antes da meia-noite, numa sexta-feira 13, no seu septuagésimo sexto ano de vida.
O mapa de Piri Reis

O mapa - que todos os testes provavam ser autêntico, antes que você me pergunte - foi produzido no século XVI (1513, pra ser mais exata) pelo famoso almirante Piri Reis, da corte turca. O cara, que aparentemente era também cartógrafos nas horas vagas, traçou o mapa baseado em diversas coletâneas geográficas que, supõem os historiadores, ele teria achado na lendária Biblioteca de Alexandria.
A admissão de que o mapa se trata de um
apanhado de outros planilhas cartográficas foi feita pelo próprio Piri Reis, em anotações encontradas com o mapa. O problema é, que outras “coletâneas” seriam essas, que aparentemente ninguém mais na época chegou a ver…? Por que elas não eram usadas como a cartografia oficial do mundo da época?
O mapa mostra com clareza e precisão o litoral oeste da África, o norte europeu, a costa Leste (e o interior) do Brasil - algo que nem os portugueses conheciam em 1513 -, e até mesmo algo que não existia pra humanidade naquela época - a Antártica.
O mais impressionante é o fato de que ele mostra a costa antártica SEM a camada de 1km de gelo que a cobre. A última vez que o pólo sul não esteve coberto de gelo foi há 6 mil anos, na última precessão axial do nosso planeta. Só após a expedição britânica-suíça de 1949 foi possível
descobrir os contornos exatos da Antártica.
Como diabos Piri Reis (ou o criador do mapa que ele copiou) sabia disso?
Em 1953 a marinha turca enviou o mapa pro Departamento Naval Americano de Hidrografia. O diretor do departamento requisitou o auxílio de Arlington Mallery, um especialista em cartografia antiga.
Pra avaliar a precisão do mapa, Mallery transferiu a geometria do mapa pra um globo, usando o método de projeção que ele concluiu ter sido usado por Piri Reis. Com muita surpresa, Mallery descobriu que o mapa era perfeitamente preciso. Ele declarou que a única maneira de obter esse tipo de precisão é através de aerial surveying.
Em 1960 o professor Charles Hapgood, da Keene College, escreveu à United States Air Force pedindo uma avaliação do mapa de Piri Reis - em especial, ele queria saber o que a USAF achava da cartografia antártica ilustrada no mapa. A resposta do coronel Harold Ohmeyer foi que o mapa é realmente bastante apurado, e que não há como compreender onde esse mapa se encaixa no suposto conhecimento geográfico do século XVI. De maneira simples, o mapa simplesmente não poderia ter sido feito em 1513. O mundo conforme ilustrado pelo mapa de Piri Reis ainda não existia.
Piri Reis não era o único turco com fontes secretas, aparentemente. Em 1559, um sujeito chamado Hadji Ahmed fez um mapa que mostra o estreito de Bering, a faixa de terra que liga o Alasca à Sibéria.
O problema é que essa faixa está submersa há milhões de anos.
Quem estava fornecendo esses dados?


Bons pesadelos...

16 comentários:

Anônimo disse...

o unica informação que eu queria obter até então é...da onde você pesquisou tal fato?

Se der para você me passar o link de tal me passa via e-mail

valmir.vinicius@yahoo.com.br

Rafael disse...

O filme do Jim Carrey sobre o numero 13, tem alguma coisa a ver com esse cara?!?!?

Bruno disse...

É Número 23
Esse do Piri Reis ja conhecia,li no livro Eram Os Deuses Astronautas
Seria Piri Reis um alienígena ou um viajante do tempo???

Bruno disse...

Refaendo os caúculos do carinha do 13,usando o sisema de AM:PM ahora de sua morte seria 11:47 PM,cuja soma seria 13.
Estranho Não?

Daniel disse...

Olá, pequena estrela. Interessante o seu relato sobre o compositor, cujo nome deve ser grafado corretamente como SCHOENBERG. Ele foi o inventor do dodecafonismo, que se baseia no uso da "escala de 12 tons" -- que deu a alguns compositores oportunidade de escrever peças mais assustadoras do que qualquer post aqui do MedoB. Particularmente, acho esse estilo de música muito estéril, quase inaudível. Abraços.

lol disse...

Pequena Estrela, ando pagando um pau pras tuas postagens. São uma melhor que a outra. ^^

exoticlic.com disse...

nossa eu hein, a maluquice dele foi tão obessiva que ele morreu mesmo, afinal o que a gente teme a gente tem. convida pra vida

Bruna disse...

Rapaz, seu blog é ótimo, nota dez!
Tenho que admitir, tenho medo de assitir vídeos de fantasmas, hehehe, mas seu blog é muito interessante!
=D

Bruna disse...

assistir*

pequena estrela disse...

Rafael o filme q vc fala é em torno do nº 23 e não do 13
Daniel vou arrumar o nome dele, brigada pela dica ;)
Vlw aos q gostaram do post :)
bjão

Lucas disse...

Oi pessoal... o caso do compositor não é tão bizarro. Algumas pessoas, que tem crenças e idéias obsessivas, podem chegar ao extremo, que neste caso foi a chamada 'morte psicológica'.

Outro caso que eu já vi deste tipo de morte: índios da aldeia Yanomami acreditam que um pagé da tribo inimiga lançou um feitiço sobre eles e, então, alguns deles morrem sem sintoma de doença real...
cuidado com o que você acredita ;)

Rafael Brito disse...

O Schoenberg foi um gênio. O dodecafonismo permitiu grandes avanços em relação a harmonia musical. A partir de Schoenberg surgiu a música atonal. Que não é inaudível não, é bem legal aliás.

Anônimo disse...

o numero 12 me persegue, qdo fui comentar nesse post
ja tinham 12 comentarios..

Anônimo disse...

comentei no numero 13
=S

Eduardo Blooudeear disse...

Irado os contos! Adorei o primeiro sobre o número 13.

Anônimo disse...

bom post