7 de agosto de 2012

O Pirata Barba Negra


Não apenas existiu de verdade, no século XVIII, como também reviveu em 1886 em A ilha do tesouro por Robert Louis Stevenson, além de ter sido interpretado por Robert Newton em 1953 no filme Barba Negra, o pirata e mais recentemente, em Piratas do Caribe: Navegando por águas misteriosas. Edward Teach foi um dos homens mais temidos pelos soldados ingleses e até mesmo por outros piratas e os tripulantes de seu navio, que também foi real, conhecido por Queen Anne’s Revenge, um navio negreiro francês de três mastros e quase 30,5 metros de comprimento, que foi equipado por Edward com quarenta canhões.

Barba Negra foi um dos homens mais conhecidos na época dourada da pirataria no Caribe, nasceu na cidade de Bristol, na Inglaterra, por volta do ano de 1680, tendo seus primeiros contatos com o mar como corsário. O gosto pela pirataria aumentou e ele juntou-se a Benjamin Hornigold em 1716, que também era um dos piratas mais temidos da época. Edward foi instruído por Hornigold, até que foi pedido pelo próprio mestre para comandar seu navio, chegando a ter uma tripulação de cerca de 150 homens, divididos em três embarcações, sendo duas, capturadas pelas suas mãos.

Além de ser conhecido como sanguinário e psicopata, mantinha hábitos forçando medo e intimidação para fazer com que seus inimigos se rendessem, andava armado até os dentes com mosquetões, facas e sua espada, sempre preparado para atacar quem quer que o enfrentasse. Sua aparência era amedrontadora, com sua barba trançada que ia até a cintura, e para piorar, ele enfeitava as pontas da barba e de seu chapéu com pavios de pólvora e ateava fogo para que ficasse com uma fumaça envolta dele. Certa vez, jogou pólvora no seu próprio rum e tocou fogo na bebida, e a consumiu impostando ainda mais sua imagem nefasta de demônio. Sua tripulação o temia, pois ele não tinha limites nos castigos, chegando a dar um tiro no seu primeiro imediato na frente dos marujos. Costumava ser bruto, como arrancar dedos se alguém não quisesse lhe dar algum anel que estivesse usando e seqüestrar homens ricos e transtorná-los até que a cidade enviasse o resgate, tornando o pirata cada vez mais poderoso. Poucos navios continuavam a navegar quando viam a bandeira do navio de Edward, assim como a tripulação, pois ele costumava eliminar os tripulantes e destruir as embarcações com o poder dos seus canhões.


Edward instalou-se em 1718 na costa da Carolina do Norte, cobrando pedágio de navios mercantes que quisessem chegar à colônia. Só que os ataques não duraram por muito tempo, pois os mercadores começaram a se revoltar pelo sistema do pirata e se queixaram com o governador da Virgínia, que concordou em ajudá-los. Naquele momento, havia dois navios dLinke guerra britânicos na Virgínia e foram contratados 57 homens, que ficaram sob o comando do tenente Robert Maynard, que para a sorte deles, a maioria da tripulação de Edward estava em terra, facilitando o ataque e por fim, sua morte por tiros e decapitação.

Até hoje, na Virgínia, diz-se que é possível ver a alma do Barba Negra vagando pelas encostas, um fantasma decapitado e assombroso que produz um som terrível que os habitantes dizem ser o pirata gritando pela sua cabeça decepada.


Post escrito pela @Kiruda
Bons Pesadelos...

14 comentários:

Roveré disse...

Nada mal... Existem muitas historias desse tipo nos paises insulares da America Central.

Roveré disse...

Nada mal... Existem muitas historias desse tipo nos paises insulares da America Central.

Roveré disse...

Nada mal... Existem muitas historias desse tipo nos paises insulares da America Central.

DanDan Taylor disse...

Muito loko, já´tinha ouvido falr dele em algum lugar, gostei muito da historia.

Guto disse...

Parabéns pelo post com informações completas, pelo bom português, por nos trazer uma pesquisa bem feita sobre um assunto pouco conhecido que trata um dos ícones da pirataria...
É muito interessante pensar que essa pessoa realmente existiu e não fica devendo nada para um vilão fictício de verdade.
Fico imaginando os maníacos e ditadores que ainda hoje assombram lugares que por não ter importância pro mundo não são alvos de notícias...
Que Deus abençoe!

烈 ₣αкє disse...

IUAHEIUAEH Quem vê One Piece conhece de perto o Barba Negra, por lá chamado de Kurohige(barba negra em japa, só quero me exibir mesmo -q aeiuhaieu). O legal de One Piece, é que cada pirata foda que é mostrado lá realmente existiu, bom, a maioria pelo menos, como o Bartholomew Kuma baseado em Bartholomew Roberts que carregava uma bíblia consigo e tinha modos de punição à altura do barba negra, porém era honrado e seguia regras impostas por ele mesmo em seu navio, regras básicas de pirataria e algumas outras criadas por ele.

A pirataria na vida real, sempre foi bem difundida na cabeça das pessoas, mas o que podemos ter certeza é que a maioria dos piratas não era nem ao menos bondoso, eles eram tão insanos que a um simples encontro de olhares entre você e um capitão, se você não estivesse na tripulação estaria morto, mas ser pirata tem seus benefícios, tesouros são divididos igualmente entre a tripulação e se você tiver dinheiro suficiente pode pagar sua liberdade ou até mesmo iniciar um novo navio pirata afiliado ao seu capitão ou totalmente independente. Mas imaginem nada era fácil, viver no porão junto com homens que não tomam banho à dias, condições de vida estupidamente ruins, doenças e etc...

Quem quiser falar sobre esse assunto tô no msn todos os dias: neto1910@hotmail.com
o/

Rafa disse...

One Piece. aHEueahuAHEU

Vinci Anon disse...

Afinal "OS sonhos das PEssoas...NÂOOO TEM LIMITESS!!!!!!!" - Tech

HAHA

vinci_anonymus@hotmail.com

⊱ Slαsh disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
⊱ Slαsh disse...

nao se preocupem, os mugiwaras darão um jeito nisso! -q

Michael disse...

Se o fantasma não tem cabeça, então como ele grita?

Felipe Mariano disse...

Michael

Fantasmas não estão ligados à lógica e lei da física, veja que eles flutuam e atravessam paredes. :)

Ingrid ^.~ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ingrid ^.~ disse...

烈 ₣αкє
Se quiser me add tudo bem, meu nome é Ingrid
acho muito estranho o capitão matar o imediato
é... totalmente...insano!
Mas é legal saber que ele realmente existiu, que não é só coisa de contos
Mas minha opinião difere muito disso...