7 de dezembro de 2012

A Maldição - Vânia Lopes

Conto sugerido pelo leitor Bruno, que eu gostei muito...
__________________________________________________


Com um lenço comprimindo o nariz e a boca, o homem se aproximou da velha cripta. La de dentro veio o barulho de alguém rastejando, e como fazia todos os dias, ele deixou a vasilha de comida e se afastou apressado. Seu pensamento era sempre o mesmo: Até quando aquela pobre criatura resistiria? Quando a morte viria libertá-la de tamanho sofrimento? Já havia perdido parte dos membros do corpo desde que chegara doente e pedira para morar naquela parte esquecida do cemitério. A história da mulher era muito triste. Assim que o marido descobriu que ela estava com lepra, ordenou que saísse de casa, e como a esposa recusou tentou assassiná-la. Sem destino e sem nenhum parente, ela recorrera ao coveiro que fora amigo de seus pais já falecidos. Apesar do medo de contrair a terrível enfermidade, o homem deixou que ela ficasse na cripta, e todos os dias levava lhe água, comida e algum remédio.

Enquanto isso o marido que a escorraçara doente, casou novamente e estava prestes a ser pai. Sua nova esposa sabia do fim terrível que teve a outra, e nem se importava. Era fria, vaidosa e egoísta. Achou que o marido fizera certo em colocar para fora de casa sua primeira mulher.

As dores eram lancinantes e por vezes Maria Clara implorou pela morte. Deitada em um desgastado colchão ela sofria e esperava. Uma vez por dia ela se arrastava tal qual um réptil pelo chão frio e úmido para buscar o alimento trazido pelo coveiro. Suas mãos já não existiam então ela se alimentava com dificuldade ali mesmo na entrada. O ódio à mantinha viva.

O dia do parto de sua segunda mulher chegou. André ouviu pouco depois a terrível noticia. O bebê nasceu cego, sem os dois bracinhos e sem os pés. A mãe não resistira a uma forte hemorragia e falecera. Desesperado o homem voltou para casa levando nos braços a criança defeituosa. Dias depois ele a matou asfixiado. Não conseguiu aceitar a anomalia do filho.

Passaram-se os meses, e André adoeceu. Uma febre insistente o deixou prostrado. Bolhas avermelhadas surgiram em sua pele e ao procurar o médico soube que estava com lepra e que não havia nada a ser feito. A doença já avançara muito. Lembrou então da primeira esposa e do quanto fora covarde. Decidiu ir visitá-la no cemitério, mas chegando lá foi informado que Maria clara morrera. Finalmente conseguira descansar. Pediu então para visitar a cripta onde ela passara todo aquele tempo, mas ao entrar as pedras se deslocaram e o sepultaram vivo. Horrorizado o coveiro que o esperava do lado de fora, não teve reação. Apenas rezou baixinho quando viu o espectro de Maria Clara ao seu lado sorrindo satisfeita. 


Autora Vânia Lopes
Bons Pesadelos...

33 comentários:

Pedro Fernando disse...

Boa vingança nesse caso. =/

Morpheus disse...

Realmente, vingança é um prato que se come frio...
AINDA MAIS DEPOIS DO SEU PRÓPRIO CADÁVER TER ESFRIADO!
haushaushaushaushaushaushaushuasha!!!

Ravenna~ disse...

Huahuahua vingança digna. Digna. Muito legal.

marllon disse...

Omg isso que e vinganca en kkkkkk se fudeo manolo abondona a esposa por causa de uma doenca ta ai a vinganca

Matheus disse...

Adorei :D Medo, poste mais contos nesse estilo \o/

Cáh Forbes disse...

Adoro contos assim u_u

Cáh Forbes disse...

Adoro contos assim u_u

Cáh Forbes disse...

Adoro contos assim u_u

Crash! disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Crash! disse...

Achei um pouco manjado a estória...

Asuka Nekoyo disse...

Comentem sobre um jogo chamado I'm scared

Asuka Nekoyo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Joelson|METAL|aFERRO eFOGO| disse...

Bom conto.

Mary disse...

intao neh.. o nome da mulher é o mesmo que o meu... '-'

Clarinha30aaa disse...

caralho o nome da mulher e o mesmo que o meu vishhh
e mau de Maria Clara ser ruim

Clarinha30aaa disse...

caralho o nome da mulher e o mesmo que o meu vishhh
e mau de Maria Clara ser ruim

Unknown disse...

a vingança nunca é plena mata a alma e a evenena :p

Douglas de Almeida disse...

Bem escrito, mas esperei que o final tivesse uma explicação mais concreta ao invés de só a aparição. Bem, é uma maldição né.

wagner disse...

Essa história me deixou meio ruim, sei lá. Fiquei com muita dó da mulher. Mas a história é muito boa.

wagner disse...

Essa história me deixou meio ruim, sei lá. Fiquei com muita dó da mulher. Mas a história é muito boa.

Cristiano disse...

Texto com final previsivel e o senso moral da vingança meio que cliche demais, ai a historia se torna obvia e sem impacto...o texto seguiu a ideia do que aqui fazemos, aqui pagamos de senso comum da população, mas se seguimos uma ideia de livre arbitrio, o castigo vira apenas após a morte, confundem a justiça dos homens com a justiça divina, dai nascem textos como este...rsrs
Mas foi um bom texto, se a autora pereber os pontos centrais do texto, vai conseguir elaborar textos mais complexos com certeza...

Cristiano disse...

Assistam Um ensaio sobre a cegueira, que dai vão conseguir ter uma visão mais ampla do que o texto aborda...

LOLY disse...

LOL

CaioLugia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ravenna~ disse...

Cristiano, pelo amor de Deus. Sua recomendação é boa, mas recomende o livro, de Saramago. O filme não chega nem perto da profundidade do livro.

Lucas Pettine disse...

Que massa esse conto.

arthur tavares disse...

KKKK, foi sacanea mulher e se fu***.

arthur tavares disse...

KKKK, foi sacanea mulher e se fu***.

arthur tavares disse...

KKKK, foi sacanea mulher e se fu***.

Luis disse...

essa foi boa

Clara Freitas disse...

Tinha realmente que ter o meu nome? kkk. Muito boa (:

Soldier Of Fortune disse...

Achei digno u.u

Soldier Of Fortune disse...

Achei digno u.u