10 de julho de 2013

Espíritos presos (Creepypasta)


Algumas religiões acreditam que, quando a pessoa morre de forma abrupta, fica, por um tempo, presa ao local de sua morte, até conseguir libertar-se ir seja lá para onde for. Como, por exemplo, em um acidente de carro, onde a morte é rápida, o espírito da pessoa pode ficar por anos junto ao carro, sem saber o que aconteceu.



Li muito sobre isso, pois o que aconteceu comigo, quando tinha apenas 9 anos, me obrigou a buscar alguma explicação plausível, que não duvidasse de minha sanidade mental (fui em muitos psiquiatras, não tenho problema mental nenhum).

Minha família era pequena, apenas minha mãe, dona-de-casa, meu pai, vendedor ambulante, minha irmã e eu. Nós duas dividíamos a mesma cama de solteiro, mas chegou um ponto que não foi mais possível, eu já tinha 9 anos e ela, 12. Então minha mãe decidiu procurar uma beliche para nosso quarto.
Por sermos muito pobres, a única alternativa era procurarmos em lojas de móveis usados. Encontramos uma beliche que minha mãe conseguiria pagar. Era de madeira, aparentemente muito antiga, e com alguns arranhões.

Um amigo do meu pai foi buscar a cama e logo ela estava em nosso quarto. Vendemos nossa cama antiga e assim pudemos comprar mais um colchão. Eu estava muito feliz, pois nunca ganhava presentes como as outras crianças, e uma cama nova era algo incrível para mim.

Meu pai conseguiu alguns restos de tinta de uma obra perto da nossa casa, e resolvemos pintar a cama para que ficasse mais bonita. Eu, empolgadíssima, insisti para ajudá-lo. Ele deixou que eu pintasse a parte de baixo e ele, a de cima. Deitei na cama de baixo e, entre uma pincelada e outra, percebi que os arranhões que eu tinha visto no dia da compra da cama, na verdade, eram palavras.

Fiquei um pouco assustada com o que dizia ali. Meus pais disseram para eu não sentir medo, pois era coisa dos antigos donos da cama, mas não consegui evitar. Antes de pintar, anotei cada palavra que dizia ali, numa agenda que guardo até hoje. Leia:

"Dormir para morrer."
"A maldição está aqui."
"Fuja"
"Não durma."
"Nunca durma."
"Ele está aqui."
"Ele nunca sairá daqui."
"Ele está em você?"
"Eu dormi e ele está em mim."

Depois disso, não consegui dormir na cama de baixo da beliche. Implorei para minha irmã que deixasse eu dormir na cama de cima e ela concordou. Me arrependo de ter feito esse pedido à ela até hoje.
Naquela noite, antes de dormir, ouvi o último "boa noite" de minha irmã. Eu não fazia ideia do que estava prestes a acontecer, mas mudou minha vida para sempre.

No outro dia, minha irmã acordou perturbada. Ela gritava e dizia que sua garganta e estômago estavam queimando. Minha mãe deu alguns medicamentos à ela, mas não adiantou. Ela urrava de dor e se debatia. A única alternativa foi levá-la correndo para o hospital. Seus últimos 5 dias de vida, foram os 5 dias de internação.

Nenhum medicamento fez efeito. Nenhum tratamento conseguiu curá-la. Seus gritos eram escutados de fora do hospital, mas nenhum calmante fazia com que ela dormisse. Ela arrancou os próprios cabelos com as mãos, fazendo seu couro cabeludo sangrar e rasgou a pele dos braços e pernas com as próprias unhas. Ela foi amarrada na cama. No seu último dia de vida, minha mãe implorou que o médico lhe deixasse levá-la para casa. Ela não aguentava mais ver minha irmã naquele estado e, se ela não se curasse, pelo menos estaria em casa, conosco. O médico, após avisar minha mãe de que minha irmã estava em estado crítico e não viveria muito tempo, liberou-a, e uma ambulância nos levou para casa, com ela. A última visão que tive da minha irmã foi dela deitada na parte de baixo da nossa beliche, com apenas algumas mechas de cabelo, com os braços e pernas em carne viva, olhando fixamente para mim. Por algum motivo, a parte branca de seus olhos estava vermelha, cheia de sangue e seu rosto estava roxo devido às pancadas que levou enquanto se debatia. Ela faleceu, deitada naquela cama, duas horas após chegarmos em casa.

Eu só dormi uma noite naquela cama, pois com todo o acontecido, minha mãe permitiu que eu dormisse junto com ela nas outras noites. Após a morte de minha irmã, ela decidiu vender a cama, pois precisávamos de dinheiro. No dia em que a cama seria levada para uma loja de móveis usados, deitei novamente na parte de baixo da beliche. Qual não foi minha surpresa, ao ver que, por cima da pintura, haviam palavras:

"Ele sempre estará aqui."
"Não durma aqui."
"Prisão."

E, com a letra da minha irmã:
"Eu também estou aqui."

Post by: Loucifre
Siga no twitter: @loucifre

Bons Pesadelos...

45 comentários:

BLW BOSS disse...

FIRST

Ana Figueiredo Dupret disse...

Adorei!

Luana Mayumi disse...

Gostei dessa Creepy *-*

agatodemonbear disse...

humm, interessante.

Gabriel disse...

Muito fera agora posso durmir

th3_dr4g0n disse...

Loucifre,pq vc num cria um canal no youtube? Aposto que varios leitores assustiriam os videos

möîsés disse...

Ótima creepypasta, Parabéns Loucifre, deu até um arrepio no finalzinho kkkk.

Hazel Folks disse...

Pau no cu do first.

Eu Oculto disse...

A criança mais corajosa que eu, porque jamais deitaria na cama onde tivesse visto alguém morrer nessas condições. Ótima estória!!

drika disse...

Simplesmente Amei, adorei a creepy *-*

kiuy of ice disse...

Muito bom.

Matheus disse...

Adorei *0*

Zi disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Zi disse...

Muito boa *u*
Aaaaah essas crianças corajosas... Se fosse eu, tinha tacado fogo na beliche q

kako Cabistani disse...

merecido um café preto com a leitura... ^^ Muito bom

bonbenjo disse...

Loucifre amo vc d+

Polyanna Ribeiro disse...

Muito boa *o* o "Eu também estou aqui" no final deu até um arrepiozinho.

Karine Souza disse...

Amei, deu ate um arrepio no final :3

juul.liana disse...

Adorei.. muito foda.

Fabrício H.B.C disse...

Gostei, mt bom :)

Bolo de morango *o* disse...

Amei muito essa creepy! *0*

MrClawns1 disse...

Gostei *.*

Angelica Nascimento disse...

Muito boa!

guiguizao98 disse...

Cara que medo das beliches agora !!!

Nath K Souza disse...

Amei.boa.

Anony disse...

E eu durmo na parte de baixo de uma beliche... medo agora O.O ótima Creepy *.*

matheus paludo tafner disse...

Achei fraco... QUERO HOLDERSSSSSSSSSSSSSS

Matheus disse...

Tmb durmo na parte de baixo de uma beliche,kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk,ferrou.Mt maneira a creepy!

Mônica Bittersweet disse...

É mesma lenda do filme O Grito, não é? "Quando alguém morre em momento de extrema fúria ou mágoa uma maldição nasce. A maldição fica no local da morte, quem cruza seu caminho morre e uma nova maldição nasce." É uma lenda bem antiga, dizem que há relatos da idade média sobre isso.

Leticia Souza disse...

Adoreii!
Parabens Loucifre!
<3

Luiza tavares de moura disse...

eu adorei o post, mas sinceramente o final foi previsivel

Eu disse...

Eu gostei mas eu queria saber quem é "ele" que aquelas palavras tanto mencionam.

Razões do meu viver disse...

Amei a creepy, mas eu durmo em uma beliche, na parte de cima, e minha irmã na parte de baixo, e ela vive escrevendo nas madeiras que seguram o meu colchão! Confesso que fiquei com medo agr! (Detalhe, estou deitada na minha cama no momento... '-')

Matheus Marques Braga Amado de Cerqueria disse...

Divertida, mas não passa disso.

Fernanda Baptista disse...

Achei essa creepypasta original e triste

Kaos disse...

meio forçadaa

Paula Valquíria Felipe disse...

Aff, podem me chamar de franga, mas fiquei com medo, nem consigo sair do quarto pra acender um cigarro!!!!

Peepo disse...

Gostei! :D

Hemerson Bassetto disse...

Muito bom, o final foi arrepiante.

Daniel Martins disse...

muito foda gostei do conto ^^

Dongs disse...

Loucifre, concordo com a idéia de você fazer um canal no YouTube!
Ameio o texto.

João Ferreira Júnior disse...

valeu fera, terminou? #partiu #dormir

slipknot disse...

Fuaaarrrrkkkkk

MKmaxstell disse...

Foda gostei deu medo rss

Emily Gomes disse...

Eu adoro essa creepy *-* nem sei quantas vezes já li