23 de junho de 2014

The Cat Lady - Review


De vez em quando, saem jogos realmente bons, os quais você não precisa ser especificamente um gamer hardcore para desfrutar. The Cat Lady é um desses casos.

O game de horror e aventura, produzido pela desenvolvedora independente Harvester Games, aborda assuntos como suicídio, depressão, autoflagelação, autopreservação e vários outros assuntos relacionados. Definitivamente não é um dos jogos mais felizes, uma vez que trata de assuntos tão pesados.

The Cat Lady conta a história de Susan Ashworth, uma mulher de quarenta anos que sofre de depressão profunda e decide cometer suicídio, tomando mais de trinta pílulas que ela deveria tomar para a sua insônia. Susan não possui família ou amigos, muito menos esperança para um futuro melhor. Uma vez que ela morre, ela acorda em um belo campo, o qual ela percorre um caminho até encontrar uma senhora que se denomina de Queen o Maggots, algo como “Rainha das Larvas” essa senhora diz que Susan deve retornar à sua vida, e matar cinco psicopatas, que são como parasitas para a vida alheia. Se Susan se recusasse ela iria ficar no sofrimento eterno, então sem opção ela aceita a proposta da senhora de voltar à vida, e eliminar os cinco parasitas. A senhora sabe que como uma pessoa normal, Susan não duraria cinco minutos contra essas pessoas, então resolve dar à Susan o Dom da imortalidade para cumprir a sua tarefa no mundo dos humanos. Como recompensa Susan além de ter a sua vida novamente, ela irá se sentir feliz novamente e todos aqueles sentimentos horríveis que ela sentiu nos últimos anos, não iriam mais acompanhar ela.


O jogo conta com um estilo de gráfico próprio, não confunda com gráficos ruins, possui um estilo sombrio, na maior parte do tempo o preto e branco com alguns tons de cinza predominam, mas em momentos específicos temos cores. O gráfico do jogo consegue nos passar um clima de solidão, depressão e até mesmo um certo nível de claustrofobia.


A trilha sonora do jogo é uma das melhores já vistas nos games, desde músicas todas em um piano extremamente melancólico, até um rock eletrizante.

Os personagens do jogo são todos muito bem construídos, possuindo personalidades muito diferentes, o grande destaque fora a Susan e a Queen of Maggots é a Mitzi, uma garota que passa a conviver com Susan que é exatamente o seu oposto. Mitzi é uma garota muito sociável, otimista, que sempre vai tenta ver um lado bom nas situações em que se encontra, não importando o quão ruim possa ser. A forma que a relação das duas é construída é simplesmente sensacional.


Por último, mas não menos importante, temos a jogabilidade que é bem simples, você controla todas as ações de Susan apenas com as setas do teclado e o botão “enter”.

No final, The Cat Lady mostra-se um grande título independente, capaz de mostrar que gráficos, não são tudo para um jogo. A história do jogo é fascinante e com certeza irá te prender pelos sete capítulos do jogo. A possibilidade de ter que tomar decisões, nem sempre muito agradáveis, irá fazer você querer jogar novamente o game, que para terminá-lo pela primeira vez leva cerca de onze horas. Infelizmente o jogo não conta com uma versão em português, porém é possível encontrar uma tradução feita por fãs aqui: http://goo.gl/ZhwVyq (É necessário criar conta para baixar a tradução. É necessário prestar atenção durante a instalação, pois possui um instalador como o do baixaki).

O jogo custa cerca de R$16,00 na Steam e pode ser adquirido aqui: http://goo.gl/5c5x0x
Requisitos mínimos:
OS: XP, Vista, 7
Memória: 500 MB RAM
DirectX: Versão 9.0
Hard Drive: 2 GB espaço disponível

Bons Pesadelos...

6 comentários:

Marcio Rogério disse...

Zerei o jogo esses dias atrás. Por conta de eu ter depressão foi um jogo que eu me identifiquei em alguns trechos. Mas o jogo possui uma história extremamente envolvente e bem elaborada. Digo com toda certeza que aproveitei cada minuto do jogo. E indico para quem possa vir a se interessar. Um canal do youtube chamado "Zangado", acredito que muitos conheçam, fez uma avaliação do jogo bem interessante. Valeu medo b. Falou.

Leo Nascimento disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Leo Nascimento disse...

Nossa, nas mãos de um bom diretor, daria um ótimo filme. AMEI a história!!!

Zuky disse...

eu nao posso baixar que droga eu quero jogar so que so tenho w8

Victoria V disse...

Achei bastante interessante, gostei do enredo,mas quem sabe futuramente irei jogá-lo

Jessy Gregory disse...

Baixei o jogo, estou jogando e adorando! Muito obrigada por recomendar! Eu tava procurando um jogo interessante já fazia um tempo.