23 de agosto de 2014

Gertrude Banizewski - Mentes Diabólicas #11




Com muito sucesso pediram a volta do Mentes Diabólicas, então ele voltou... Você pode ver o video ou ler aqui embaixo.



Nascida em 19 de Setembro de 1929, também conhecida como Gertrude Nadine van Fossan seu nome de solteira, era a terceira de seis irmãos. Cinco anos apos a morte de seu pai, ela abandonou a escola e se casou aos dezesseis anos com John Baniszewski, com quem ela teve quatro filhos. Em um segundo casamento teve mais dois filhos e num terceiro casamento teve mais um filho, desta vez, o marido a abandonou, o que pra ela foi um alívio, tendo e, vista que ela sofria frequentemente muitas agressões físicas.

Era considerada uma mulher muito bonita, beleza essa que mais tarde foi consumida pela pobreza e pelas preocupações da maternidade, ela não tinha mais tempo para se cuidar. Aos 37 anos vivia com os filhos em uma casa simples assim como levava a vida, o pouco dinheiro que ganhava para manter a casa ela ganhava passando roupas. A casa era frequentemente visitada por outras crianças, amigos e amigas dos seus sete filhos entre elas estavam Sylvia Marie Likens de 16 anos e Jenny Faye Likens de 15, convidadas a passarem alí uma noite. Lester e Betty Likens, os pais das meinas eram artistas circenses e Lester no dia seguinte ao buscar as garotas, comentou com Gertrude que precisava de alguém que cuidasse de suas duas filhas enquanto viajava o país trabalhando no circo, Silvia e jehni já eram amigas das filhas de Gertrude, frequentavam a mesma escola e a igreja, na época, em meados de 1960 não havia muita gente que se dispusesse a cuidar das meninas, e por um pagamento de 20 dólares por semana, Gertrude aceitou a proposta, afinal era uma renda a mais que ela ganharia.

Tudo corria dentro da normalidade do dia a dia, até que Lester por problemas financeiros no circo começou a atrasar os pagamentos de Getrude, o que deu início à punição das garotas. A cada semama que o pagamento atrasava, Getrude obrigava as menias a se ajoelharem e debruçarem sobre uma cadeira na cozinha e as açoitava com um cinto, sempre gritando que ela estava cuidando das garotas em troca de nada. Mas o que Gertrudes fazia passou de punição à prazer, ela tomou gosto pela dor de Silvya e Jehn, ela estava se tornando sádica, gostando de saber que as duas pequenas meninas estavam sofrendo pela dor causada por suas mãos. Ao mesmo tempo os filhos assistiam a tudo isso e ela sempre dizia, que assim como as duas apanhavam, eles poderiam apanhar também se cometessem alguma infração às regras da casa.

Conforme o tempo passava e houvessem outros atrasos nos pagamentos, Getrude cada vez mais punia as meninas severamente e ainda tratava Sylvia mais rudemente, chegando a trancá-la em um porão, sozinha, sem contato com as outras pessoas que haviam na casa, incentivava também que seus filhos batessem nela, chutassem, açoitassem com o cinto, a queimou com pontas de cigarro em mais de cem lugares diferentes no corpo. A pequena Sylvia ficava a semana toda sem o que comer, Getrudes algumas vezes a obrigava a comer suas próprias fezes sob ameaça de matá-la se ela não o fizesse. Sylvia era amarrada pela cintura por um corta com os braços juntos ao corpo, era jogada de um lado pra outro por todos os filhos de Gertrude, para eles uma diversão, para Sylvia uma tortura.

Certa vez, ao saber que Sylvia e Jehn espalharam na escola boatos de que as filhas de Gertrudes eram prostitutas, Sylvia foi proibida de ir a escola, a mulher ainda reuniu todas os filhos e seus colegas a assistirem Jehn bater na própria irmã Sylvia enquanto a chamava de prostituta e a usou mais uma vez como exemplo de punição para os outros. Em outro momento os filhos de Getrude assistiam enquanto ela obrigava Sylvia a enfiar a boca de uma garrafa de refrigerante na vagina, fato que aconteceu mais de uma vez. Este ato fez com que Sylvia urinasse na cama o que gerou outra vez punições, a menina ficou mais dias sem comer após apanhar e ainda obrigou os filhos a segurarem Sylvia deitada e com a ponta de um alfinete aquecido em uma vela, Getrude escreveu na barriga da menina "Sou uma prostituta e tenho orgulho disso", Sylvia passou o resto do dia sangrando, sentindo ainda mais dor, chorando, o que fazia Getrudes ainda mais satisfeita com o que fazia.

Jenny, irmã de Sylvia chegou a enviar uma carta à sua irmã mais velha que morava em outra cidade contando tudo que ocorrera, mas ela achou que tudo não passava de mentiras para que os pais fossem buscá-las. Enquanto isso, Getrude vendo que os ferimentos de Sylvia estavam ficando infectados e não cicatrizavam e sentindo que a menina queimava em febre, decidiu montar um plano para se livrar dela e de qualquer crime que pudessem acusá-la. Forçou Sylvia a escrever uma carta aos pais dizendo que havia fugido e não voltaria mais, assim Gertrude pretendia abandonar a menina em algum local ermo para que ela morresse sem ter alguém para pedir ajuda. Alguns especialistas afirmam que Getrudes já planejava matar a menina quando escreveu aquelas palavras em sua pele.

Em 24 de outubro de 1965, Sylvia Likens recebeu uma pancada na cabeça, o objeto utilizado foi um cabo de vassoura, dois dias depois Gertrude decidiu que a menina deveria tomar outro banho com água fervente para limpar seus pecados e notou que a menina estava morta. Jehn em pânico pediu que um dos filhos da assassina chamasse a polícia, assim foi feito, porém quando a polícia chegou Gertrude ainda tentou despistá-los mostrando a carta de Sylvia onde ela dizia aos pais que havia fugido de casa, porém sorrateiramente Jehn disse a um dos policiais que ela poderia contar-lhes tudo o que havia acontecia naquela casa. Gertrudes, seus filhos e ainda outros garotos da vizinhança que presenciaram todos aqueles fato terríveis, foram levados pela polícia.

Após a autópsia, foi revelado que Sylvia tinha diversas queimaduras, contusões musculares e inúmeras lesões físicas. perto da morte , os lábios de Sylvia estavam quase que separados um do outro.Sua cavidade vaginal estava inchada, mas os exames provaram que ela ainda era virgem, sendo que seu hímen estava intacto. A causa oficial da morte foi hemorragia cerebral, alem de lesões prolongadas em sua pele.

Gertrudes foi condenada a dezoito anos de prisão, tentou ser considerada esquizofrênica mas testes a consideraram normal, psicólogos acreditam que a maldade de Getrude com Sylvia em parte foi causado por inveja, inveja de sua beleza, de sua inocência da alegria que seus olhos transmitiam. Gertrude conseguiu liberdade condicional saiu da prisão em 4 de dezembro de 1985, mesmo com protestos acerca de sua soltura, cinco anos depois em 16 de junho de 1990, Gertrude morreu com câncer de pulmão.

Gertrude Baniszewski humilhou, torturou, açoitou, queimou, cortou, matou Sylvia Likens por pura inveja e sadismo, Gertrude era uma das pessoas com mentes diabólicas.



Bons Pesadelos...

4 comentários:

Augusto Veras disse...

Ah que foda, ainda bem que voltou o/

Caroline Leal disse...

O Filme "Um Crime Americano", foi baseado nessa história, o filme é muito bom, e ainda por cima com a Atriz Ellen Page. Recomendo pra já rs

Terror Zone Brasil disse...

Que horror. Isso era trabalho para a Enma Ai.
"Alma envolta em trevas, seus atos trazem sofrimento à humanidade..."

Thalita disse...

Amei a história.
Não conhecia o filme, já estou ansiosa para ver.